A arte de desacelerar

Categoria: Depoimentos - Postador por: Comunicação IUPV - Data: 06 de dezembro de 2018

Por Hannah Buch

Nos três anos que passei na faculdade aprendi muito sobre mudanças na vida que só podem ser compreendidas por meio da boa e velha experiência.

Nunca fui capaz de fazer nada pela metade. Minha terapeuta diz que isso é perfeccionismo. Lutei contra essa hipótese por um muito tempo: “Se a única outra opção para a preguiça é o perfeccionismo, OK, sou perfeccionista!” Mas finalmente estou começando a entender o que ela quer dizer. Quando acordo às quatro da manhã de barriga para baixo no carpete da minha sala de estar e em cima de um monte de papéis, com todas as luzes acesas refletindo as minhas olheiras, entendo o que ela quer dizer.

Mas com frequência me ocupo de muitas coisas para fazer.

E minha FC piora.

E eu acabo no hospital.

E por isso não posso fazer mais nada.

Todas as manhãs, tomo um copo de água fria, me sento e abro um pequeno diário. Nesse diário, escrevo três coisas pelas quais sou grata, três coisas que eu gostaria de realizar naquele dia, e um mantra.

Neste momento meu mantra diz o seguinte:

“Eu sou capaz de cuidar de mim mesma com a ajuda de outras pessoas. É melhor ser uma tartaruga que uma lebre. Hoje, deixo de lado o que as pessoas pensam. Minha vida é muito boa”.

Como você pode perceber, a metade das mensagens que eu crio no meu cérebro todos os dias está diretamente relacionada à desaceleração. Porém, às vezes é difícil identificar maneiras de me transformar em uma tartaruga ou maneiras de permitir que as outras pessoas me ajudem. Por isso, criei uma pequena lista com dicas para virar uma tartaruga:

  1. Tomar café da manhã sem olhar para o celular. Mastigar lentamente. Sentir o sabor dos alimentos que você está comendo.
  2. Depois fazer uma faxina na sua casa, dê uma parada para admirar o  resultado agradável. Permita-se ficar orgulhoso.
  3. Tome um bom banho. Lavar o cabelo e o corpo com pressa pode acabar em um ataque de tosse — permita-se fazer isso devagar, sinta a água quente, e no final aplique uma loção hidratante bem gostosa.
  4. Vá para a cama cedo. Ou pelo menos vá para a cama quando estiver cansado.
  5. Não leve o seu cachorro para caminhar; leve o seu cachorro para passear. Não caminhe rapidamente para que termine logo. Em vez disso, passeie para que vocês possam se divertir juntos, admirando as árvores e os pássaros. Fique bem relaxado, puxe os ombros para trás da melhor maneira possível e inspire profundamente enchendo os pulmões de ar por completo.
  6. Faça intervalos durante o trabalho. Quantas horas você trabalha sem parar? Quando foi a última vez que você comeu alguma coisa? E a última vez que escovou os dentes?
  7. Ligue para a sua mãe.
  8. Acenda uma vela e leia aquele romance por pura diversão. Sim, você tem tempo para isso. Dez páginas são o suficiente para que você se sinta bem.
  9. Abasteça a caixa de comprimidos toda semana. Não caia no sono antes de tomar os remédios da noite.
  10. Diga “não” para alguma coisa.

Boa sorte a todos!

Seguindo essas pequenas dicas é possível desacelerar, aproveitar todos os momentos e ter uma qualidade de vida melhor!

 

Fonte: https://cysticfibrosisnewstoday.com/2017/11/16/cystic-fibrosis-and-art-of-slowing-down/

Traduzido por Vera Carvalho, voluntária de tradução para o Instituto Unidos pela Vida. Vera é tradutora profissional com especialidade na área científica ([email protected]).

Nota importante: As informações aqui contidas tem cunho estritamente educacional. Em hipótese alguma pretendem substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas.

Você vai gostar também...

Newsletter

Assine o nosso boletim informativo mensal. Clique aqui