Depoimento Renata Paulina – Quatro Vezes Mãe de Fibra

Categoria: Notícias - Postador por: Comunicação IUPV - Data: 19 de março de 2019

Conheça a Renata Paulina. Ela tem 30 anos, mora em Uberlândia, Minas Gerais e é uma mamãe de fibra. Aliás, ela não é apenas isso. Renata é uma mamãe de fibra vezes quatro. Por que? A gente te explica. Ela tem quatro filhos com Fibrose Cística: o Filipe de 11 anos, o Pietro de 7 anos, a Lavinia de 5 anos e a Rafaella, a caçula de 2 anos de idade.

Todos os filhos da Renata foram diagnosticados com Fibrose Cística logo nos primeiros meses de vida. Em todos os casos, o Teste do Pezinho indicou a presença da doença e o Teste do Suor confirmou o diagnóstico.

“Eu tive o Filipe e logo após o nascimento dele eu já quis ter o Pietro. Meu sonho sempre foi ter mais de um filho, uma família grande. Os médicos conversaram comigo e me explicaram sobre as chances do meu segundo filho também nascer com Fibrose Cística. Resolvi arriscar e engravidei novamente. Quando o Pietro nasceu e ficamos sabendo que ele também tem a doença, resolvi operar e não ter mais filhos. Tudo foi muito burocrático e demorou muito tempo. Quando finalmente consegui a cirurgia, descobri que estava grávida novamente. Com a notícia da terceira gravidez, resolvemos que meu marido faria vasectomia. Minha terceira filha, a Lavínia, nasceu algumas semanas antes do previsto, por isso, teria que esperar seis meses para fazer a laqueadura. Demoraria muito, e como meu marido já havia feito a vasectomia, decidi não operar. Fiquei despreocupada. Após algum tempo, recebemos a notícia de que a Lavinia também tem Fibrose Cística”, relembra Renata.

Quando a terceira filha, Lavinia, completou 2 anos de idade, Renata descobriu que estava grávida novamente. Nessa gravidez, ela ganhou seu quarto salgadinho: a Rafaella.

“Descobrir a gravidez da Rafaella foi muito difícil pra mim e eu demorei muito tempo para aceitar aquela situação. Eu sabia que ela teria Fibrose Cística, já não tinha a mesma esperança que tive quando resolvi ter meu segundo filho. Naquela época, eu sabia que ele poderia ter a doença, mas tinha esperanças de que isso não aconteceria. A Rafaella nasceu e fiz a laqueadura logo após o parto. Enquanto isso, meu marido foi examinado e descobriram que a operação dele havia revertido porque ele não realizou o acompanhamento necessário após o procedimento”, conta Renata.

Tratamento

A realização do tratamento para a Fibrose Cística geralmente é demorada e ocupa algumas horas da rotina de quem tem a doença ou de quem ajuda a fazer os procedimentos. No caso da Renata, com quatro filhos que ainda precisam de ajuda para aderir ao tratamento corretamente, cada segundo conta e ela se esforça ao máximo para otimizar seu tempo e cumprir com todas as etapas do tratamento de cada um dos seus super-heróis de fibra.

“Eu trabalho na parte da manhã e eles geralmente estudam durante a tarde, então normalmente acordo 4 horas da manhã e começo logo cedo o tratamento com eles. Além das medicações, inalações e fisioterapias, eles também fazem natação três vezes por semana. Tento me organizar bem e fazer tudo certo com todos eles”, conta.

“No começo foi muito difícil e há dias mais complicados e que testam nossa força. Mas hoje eu vivo por eles e vejo todos os dias o cuidado de Deus em nossas vidas”, finaliza Renata.

Nota importante: As informações aqui contidas tem cunho estritamente educacional. Em hipótese alguma pretendem substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas.

Você vai gostar também...

Newsletter

Assine o nosso boletim informativo mensal. Clique aqui