Adesão ao Tratamento: uma batalha física e mental ou uma oportunidade?

Categoria: Depoimentos - Postador por: Comunicação IUPV - Data: 11 de junho de 2019

A Fibrose Cística é considerada, por muitos portadores da doença, como uma parte determinante da sua identidade, ela faz parte de quem eles são. E não só isso. Ela se torna um estilo de vida sob o qual vive-se, sem opção, todos os dias. Mas acreditamos que existe, sim, uma opção; a de cuidar de nós mesmos, tomar os medicamentos e realizar os tratamentos. Até porque, qualquer tipo de benefício ou de tempo livre que podemos conseguir por não realizar os  tratamentos diários, trará consequências depois, como desconforto torácico, problemas digestivos ou a uma piora do quadro.

Para os adultos, o argumento é óbvio: Nós fazemos os tratamentos para podermos viver, seja lá o que isto signifique: ir à faculdade ou ao trabalho, dar atenção à família, socializar com os amigos ou qualquer outra parte da vida adulta. Para as crianças, essa lógica fica uma pouco mais complicada de se ver, porque os corpos jovens são mais resistentes, menos propensos a ficar doentes e mais predispostos à recuperação após uma infecção, por exemplo.

Não interessa de que maneira as coisas são, crianças e adultos com doenças crônicas têm que, primeiramente, querer se cuidar. Nem sempre é divertido. Ensinar adesão ao tratamento são esforços difíceis. Falo a partir de experiências pessoais. Minha irmã Alyssa, que também tem FC, teve dificuldade em aderir ao tratamento, algumas vezes por não perceber o benefício dos tratamentos, e ficar doente com frequência. Eu não tive tanta dificuldade na adesão ao tratamento. Tenho me mantido saudável e respondo muito bem às terapias preventivas sempre que começo qualquer novo tipo de plano de tratamento.

Desde que passei a morar sozinho, há seis anos, tenho feito todos os meus tratamentos sozinho. Por eu ter graduação em bioquímica, também entendo a importância de me cuidar e realizar todos os meus tratamentos. Mas, com certeza, essa não é a única maneira de incentivar minha adesão.  

Acredito que para melhorar a adesão ao tratamento da FC é essencial encontrar uma maneira de ver o tratamento com base em alguma coisa de que gostamos, em oposição à amargura. Há momentos em que os tratamentos são um fardo e complicam a rotina do dia a dia. Mas esse não deve ser o foco.

Encarar o tratamento da FC como uma parte dos cuidados que nos mantêm saudáveis, ao contrário de ser a única  pela qual ficamos  saudáveis, é o caminho para uma adesão ao tratamento confiante, sustentável e agradável. Afinal, a saúde mental, os exercícios físicos, cuidados de higiene e outros hábitos saudáveis contribuem para a nossa resiliência e também para a nossa saúde.

Nós não devemos encorajar as pessoas, especialmente as crianças, a perder ou pular tratamentos, especialmente se  isso for evitável. Garantir que estamos aceitando e conscientes da importância dos tratamentos, evitando perdê-los habitualmente, é o melhor  caminho para a adesão ao tratamento e para o autocuidado.

A sua saúde não te define como pessoa, nem a sua adesão ao tratamento. Encontrar os pequenos caminhos para realizar os tratamentos e simplificar a vida é o segredo para melhorar a saúde e a qualidade de vida, quando se vive com Fibrose Cística.

Fonte: https://cysticfibrosisnewstoday.com/2018/10/22/cf-treatment-compliance-toughest-mental-physical-battles/

Traduzido por Vera Carvalho, voluntária de tradução para o Instituto Unidos pela Vida. Vera é tradutora profissional com especialidade na área científica (carvalho.vera.carvalho@gmail.com).

Nota importante: As informações aqui contidas tem cunho estritamente educacional. Em hipótese alguma pretendem substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas.

Você vai gostar também...

Newsletter

Assine o nosso boletim informativo mensal. Clique aqui