IMG_20170418_083541 (1)
Após ter tido uma perda significativa de sua capacidade respiratória ao final de 2016, nossa fundadora e diretora geral, Verônica Stasiak Bednarczuk, resolveu deixar o sedentarismo de lado para praticar o CrossFit, um programa de treinamento com exercícios funcionais variados, feitos com alta intensidade. Os resultados foram tão satisfatórios que a história dela foi parar no blog Hugo Cross, um dos principais sobre CrossFit. Leia a matéria completa. 
Em 18 de abril de 2017
 Às vezes, negligenciamos pequenas coisas diariamente. Em nosso treino, só lembramos da dificuldade de fazer um box jump quando batemos a canela na caixa. Para Verônica Bednarczuk, de 30 anos, realizar seu primeiro box jump foi uma verdadeira vitória.

Verônica foi diagnosticada com uma grave doença genética e ainda sem cura, a fibrose cística (FC). Essa doença ataca principalmente o aparelho respiratório e digestivo, fazendo com o que o muco produzido no organismo seja mais espesso que o normal, o que dificulta sua eliminação e, consequentemente, bloqueia os canais brônquios e evita também que as enzimas cheguem ao intestino, por exemplo. Essa é uma doença que pode ser identificada no teste do pezinho, e ter o diagnóstico confirmado no teste do suor ou ainda através de exames genéticos. Mas, para Verônica, esse diagnóstico demorou.

Quando Verônica foi diagnosticada com FC, apenas aos 23 anos, ela já havia perdido duas partes do pulmão direito, a vesícula e ter tido a cauda do pâncreas necrosada em meio a uma pneumonia que durou dois meses e a deixou internada no oxigênio 24 horas por dia. Isso sem contar as diversas pneumonias que tinha desde pequena – eram em média 5 todos os anos! Para pacientes que sofrem com fibrose cística, exercício físico é vital para melhorar a condição respiratória.

Mas Verônica nunca se acostumou com academia. E foi num amigo de infância, com quem foi escoteiro junto, que conheceu o CrossFit. Demorou….precisou da insistência de outras pessoas, mas hoje é Daniel Moraes, coach da CrossFit Eiger em Curitiba, que cuida do treino de Verônica. E a rotina, de 3 vezes por semana, não é fácil para ela:

“Naturalmente, eu preciso conhecer meus limites, estar com os exames em dia, e apta para fazer a atividade física. Preciso fazer as inalações e a fisioterapia respiratória antes do treino, as bombinhas antes e durante se necessário, e parar ao sinal de fadiga, para não exagerar e extrapolar. Aos poucos, tenho conseguido fazer mais exercícios e sinto nitidamente o quanto meu fôlego e força já aumentaram. Agradeço muito ao meu coach por isto, e ao meu esposo @vinibednarczuk, que é hoje meu maior incentivador e partner de treino!”

O susto de sua médica, Dra Mariane Canan, dela sair do sedentarismo para o CrossFit virou em uma grande surpresa após um aumento significativo da capacidade respiratória de Verônica.  Sua evolução no esporte é lenta… mas a evolução na qualidade de vida, por causa do CrossFit, é grande, e está apenas começando!

Verônica é fundadora e diretora geral da ong “Unidos pela Vida – Instituto Brasileiro de Atenção à Fibrose Cística” (http://bit.ly/UnidosPelaVida), com sede em Curitiba, que contribui para a busca de diagnóstico precoce e tratamento adequado; desenvolvendo projetos ligados à comunicação da Fibrose Cística, suporte, educação, pesquisa, desenvolvimento organizacional e incentivo à atividade física! Para conhecer mais a FC e o Instituto: www.unidospelavida.org.br / @institutounidospelavida no Instagran / www.facebook.com/unidospelavida.

Fonte: http://www.hugocross.com.br/crossfit/2017/4/18/histrias-de-crossfit-vernica-bednarczuk

===

Nota importante: As informações aqui contidas tem cunho estritamente educacional. Em hipótese alguma pretendem substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas.