Esclarecimentos sobre o Mel de Manuka: o que você precisa saber

Categoria: Coluna Científica - Postador por: Comunicação IUPV - Data: 09 de setembro de 2019

No dia 24 de agosto de 2019 publicamos uma notícia que trazia resultados de um estudo realizado com a utilização do mel de Manuka. Tal publicação faz parte da nossa coluna Segunda Científica que traz, semanalmente, novidades mundiais sobre pesquisas que tenham ligação com a Fibrose Cística. Entendemos que é de extrema importância trazer estas informações para a população saber o que está sendo pesquisado mundo a fora.

Contudo, tal qual prevê claramente nosso código de conduta, baseado inclusive no Código de Ética Internacional que valida sites de saúde – HonCode, nenhuma matéria publicada no nosso portal tem como propósito indicar e / ou sugerir tratamentos. Isto é conduta médica, somente. Ninguém poderá prescrever à você qualquer tratamento que não tenha sido previamente indicado pela sua equipe médica. A publicação do Mel de Manuka, em especial, gerou muita curiosidade e algumas dúvidas também. Por isso, a equipe do Unidos pela Vida pediu ao nosso consultor técnico, o biólogo Cristiano Silveira, que produzisse um material para esclarecer alguns pontos sobre o assunto. Confira! 

Por Cristiano Silveira

É importante entender, como a própria publicação diz, que o estudo com essa substância foi ex vivo (ou seja, em bancada de laboratório). Não foi feito ainda nenhum ensaio com pacientes sobre a eficácia e segurança dessa substância em pessoas com Fibrose Cística. Os pesquisadores da Nova Zelândia testaram uma hipótese. Se o mel de Manuka, naquele mesmo tipo de teste (bacteriológico), que testa a eficiência dos antibióticos contra Pseudomonas aeruginosa, também responderia ao mel de Manuka. A resposta é que, em laboratório, a Pseudomonas aeruginosa foi sensível ao Mel. Mas isso ainda não quer dizer muita coisa. Antes de ser liberado para o uso em pacientes, ele tem que ser testado em seres humanos!

O mel de Manuka não tem registro na ANVISA e nem no Ministério da Agricultura. Mesmo assim, há sites vendendo esse produto. Não recomendamos a compra. Antes de gastar seu dinheiro com o mel de Manuka ou qualquer outro produto desses, recomendamos sempre, tanto para esta substância quanto para qualquer outra, que consultem a opinião da equipe médica. Antes de usar qualquer substância, é preciso ver se há estudos científicos que comprovem sua eficácia e indicação clínica.

Há ótimos tratamentos complementares já comprovados. Lembrando que já há ensaios, por exemplo, com óleo de alho mostrando a eficácia contra a formação de cepas mucóides de Pseudomonas aeruginosa. Como esse foi um estudo feito com pacientes de Fibrose Cística, acho que vale mais a pena, quando recomendado por um profissional da saúde, tomar alho do que mel de Manuka. Pelo menos por enquanto.

Nota importante: As informações aqui contidas tem cunho estritamente educacional. Em hipótese alguma pretendem substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas.

Você vai gostar também...

Newsletter

Assine o nosso boletim informativo mensal. Clique aqui