Teste do Pezinho: pesquisa realizada pelo Unidos pela Vida revela realidade do exame no Brasil

Categoria: Notícias - Postador por: Comunicação IUPV - Data: 07 de junho de 2019

O Unidos pela Vida – Instituto Brasileiro de Atenção à Fibrose Cística realizou, em 2018 e 2019, um levantamento de dados no Brasil sobre o diagnóstico da Fibrose Cística. O objetivo da pesquisa foi fazer o mapeamento da realidade do processo diagnóstico, que envolve o Teste do Pezinho, o Teste do Suor e Exames Genéticos em diferentes estados do Brasil, para que então, junto com as associações e com o Grupo Brasileiro de Estudos em Fibrose Cística, possamos realizar ações de melhoria nestes processos.

Participaram do levantamento 19 associações de assistência à Fibrose Cística de todo o país. A pesquisa Identificação dos Desafios no Diagnóstico da Fibrose Cística no Brasil foi aprovada pelo Comitê de Ética, com parecer número 2.909.168.

Resultados: Teste do Pezinho

Durante a pesquisa, foi possível identificar que, dentre os estados pesquisados pelo Unidos pela Vida (total de 18 estados), 89%  já estão na fase 4 do Programa Nacional de Triagem Neonatal do Ministério da Saúde. É importante lembrar que, apesar de 11% dos estados entrevistados ainda não terem implementado a fase 4, todos já estão habilitados para aplicá-la em sua região.

Dentre os 18 estados pesquisados pelo Instituto, os que já implementaram a fase 4 do Teste do Pezinho são:

De acordo com o levantamento realizado pela pesquisa, as principais dificuldades enfrentadas em relação ao Teste do Pezinho no Brasil é a acessibilidade do exame, o elevado tempo de espera para o resultado, as falhas na busca ativa dos locais de diagnóstico e a falta de conscientização e conhecimento dos familiares sobre a importância do exame e seu resultado. Sabemos que, além destas informações obtidas, há outros inúmeros problemas que não foram possíveis de identificar, porém, o Instituto segue à disposição para receber informações que possam contribuir para a melhoria deste processo no país.

Programa Nacional de Triagem Neonatal: histórico de criação e implementação

Em 2001, o Programa Nacional de Triagem Neonatal foi criado pelo Ministério da Saúde com o objetivo de realizar o atendimento de todos os recém-nascidos brasileiros. A implementação do Programa foi feita de maneira progressiva no país, levando em conta as condições estruturais e de operação de cada estado.

Desde o início, o Programa passou por 4 fases de incorporação de doenças, chegando na versão que temos hoje. A fase 1 tria a Fenilcetonúria e Hipotireoidismo Congênito, a fase 2 a Anemia Falciforme e outras Hemoglobinopatias, a fase 3 realiza a triagem da Fibrose Cística e, por fim, a fase 4 identifica a Hiperplasia Adrenal Congênita e Deficiência de Biotinidase.

A universalização da fase 4 do Teste do Pezinho foi finalizada no ano de 2014, quando todos os estados brasileiros foram habilitados para realizarem a triagem das seis doenças previstas no Programa. É importante lembrar que, além da realização do Teste do Pezinho, o Sistema Único de Saúde (SUS) garante o atendimento com médicos especialistas para todos os pacientes triados positivamente para as seis doenças.

Fonte: Ministério da Saúde

Por Kamila Vintureli

Nota importante: As informações aqui contidas tem cunho estritamente educacional. Em hipótese alguma pretendem substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas.

Você vai gostar também...

Newsletter

Assine o nosso boletim informativo mensal. Clique aqui