Como controlar o açúcar no sangue quando se tem diabetes relacionada à fibrose cística?

Categoria: Notícias - Postador por: Instituto Unidos pela Vida - Data: 15 de fevereiro de 2017

Diabetes-2

Por Gretchen Garlow

Gerenciar o açúcar no sangue quando se tem diabetes relacionada à fibrose cística é difícil, mas o índice glicêmico pode ajudar. Este cenário me é muito familiar: recebo uma chamada telefônica de um indivíduo com FC. “AJUDE-ME! Acabei de saber que tenho diabetes, e agora não tenho ideia do que comer.”

Muitas pessoas com diabetes relacionada à fibrose cística (DRFC) são inseguras sobre o que comer para administrar os níveis de açúcar no sangue. Além disso, pessoas com FC precisam equilibrar o controle do açúcar no sangue e simultaneamente evitar a perda de peso não intencional, que pode levar à perda de função pulmonar.

Técnicas de planejamento de refeições que ajudam a administrar o açúcar no sangue incluem contagem do teor de carboidratos totais de um alimento ou de uma refeição, a chamada contagem de carboidratos. Contudo, há dois outros métodos de planejamento de refeições que vale a pena discutir em detalhe: o índice glicêmico* e a carga glicêmica.

O índice glicêmico de um alimento indica quão alto, e também quão rapidamente um item alimentar pode elevar o açúcar no sangue.

Outros fatores podem afetar o índice glicêmico de um alimento: a quantidade de fibras ou gorduras no alimento, se ele foi processado, o método de preparação e a variedade específica do alimento. Além disso, alguns alimentos podem compensar o efeito que alimentos com alto índice glicêmico têm sobre o açúcar no sangue, se os alimentos forem ingeridos juntos, como mostrado na tabela abaixo.

Alimento com alto índice glicêmico Par desse alimento que ocasionará a diminuição do índice glicêmico Mais opções
Arroz Manteiga, queijo Carne e legumes salteados
Batata Creme azedo, iogurte sem sabor, manteiga Servir em uma refeição com carne e legumes
Massas Almôndegas e molho, ou molho com carne Usar a massa como acompanhamento em uma refeição com carne e legumes, ou servir à carbonara, com molho branco/creme
Pão Manteiga de amendoim, manteiga Sanduíche de carne ou queijo, torrada com queijo
Cereais matinais Leite integral, meio a meio, substituição do leite integral por leite de coco Além do cereal, acrescentar leite, comer torradas com manteiga, manteiga de amendoim ou queijo

O índice glicêmico não diz quão alto chegará o açúcar no sangue quando você comer uma quantidade exata de um alimento ou o que acontecerá com a combinação de alimentos. Para calcular isso, pesquisadores apareceram com um segundo número chamado de carga glicêmica.

O que é carga glicêmica?

A carga glicêmica é um número que indica como um alimento afetará o açúcar no sangue com base na rapidez com que esse alimento fornece glicose e na real quantidade de glicose no alimento. O número de carga glicêmica é uma combinação de índice glicêmico e teor de carboidratos. A carga glicêmica de um alimento é considerada uma descrição mais realista e precisa de como o alimento afetará a glicose no sangue.

A carga glicêmica de um alimento pode mudar completamente a perspectiva sobre um alimento específico. Por exemplo, cenouras têm um alto número de índice glicêmico (em torno de 92), mas uma baixa carga glicêmica (6).

Qual método você recomenda para controlar o açúcar no sangue?

Use o método de planejamento de refeições que funciona melhor para você. Outros fatores além do alimento podem afetar o açúcar no sangue, como a quantidade enzimas que você toma e o tempo de permanência do alimento no seu estômago, e talvez seja necessário experimentar. Todas essas opções exigem que você leia os rótulos dos produtos e aprenda novas habilidades.

Gerenciar uma dieta especial é difícil. Se estiver difícil controlar o seu açúcar no sangue – ou se ele estiver fora de controle – eu indicaria uma dieta mais definida e limitada. Do contrário, sugiro que você use a maneira mais fácil de equilibrar e controlar os carboidratos na sua dieta enquanto mantém a ingestão adequada de calorias.

Acredite ou não, há um site oficial para o índice glicêmico, mantido pela University of Sydney, que permite que se insira o nome de um alimento para conhecer seu índice glicêmico e sua carga glicêmica. Também se pode escolher itens alimentares com base no índice glicêmico e/ou na carga glicêmica.

Essa tabela, originalmente publicada no periódico Diabetes Care, lista o índice glicêmico e a carga glicêmica de mais de 1.800 itens.

Espero que você tenha achado este post interessante e útil. Se tiver dúvidas, envie para ggarlow@partners.org, e eu tentarei respondê-las em outro post do blog.

*Este blog é uma resposta a questões específicas de indivíduos com FC que estão interessados em saber sobre o índice glicêmico. O índice glicêmico não reflete necessariamente as diretrizes da CF Foundation para o tratamento do diabetes relacionado à FC.

Gretchen M. Garlow, M.D. (Doutora), R.D. (Dietista Registrada), L.D.N. (Dietista/ Nutricionista Licenciada), C.N.S.C (Clínica de Suporte Nutricional Certificada): Gretchen trabalha para o Massachusetts General Hospital, onde é responsável pelo cuidado nutricional de pacientes nos centros de fibrose cística adulta e pediátrica e no programa de transplante de pulmão. Ela é uma forte defensora de seus pacientes, e gosta de assistir a eventos de arrecadação de fundos, especialmente aqueles que apresentam seus pacientes. Gretchen recebeu grau de bacharel em nutrição e química da Texas Tech University, em Lubbock, Texas. Ela completou um estágio em dietética no Massachusetts General Hospital, em Boston. Gretchen recebeu o grau de mestre em nutrição da Framingham State University, em Framingham, Massachusetts, e mantém certificação avançada em suporte nutricional. Gretchen vive na costa norte de Massachusetts com seu marido, dois filhos e a Labradora Retriever, Molly.

Fonte: https://www.cff.org/CF-Community-Blog/Posts/2017/Ask-Gretchen-How-Can-I-Control-My-Blood-Sugar/

Traduzido por Vera Carvalho: Voluntária de Tradução de Textos do Instituto Unidos pela Vida. Vera tem formação em história social com mestrado voltado ao abandono de crianças. Foi gerente de informação na Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência, onde recebeu as primeiras demandas por traduções de textos acadêmicos e científicos. A tradução tornou-se a sua principal atividade profissional há treze anos.

Nota importante: As informações deste texto têm cunho estritamente educacional. Em hipótese alguma pretendem substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com sua equipe multidisciplinar, eles poderão esclarecer todas as suas perguntas!

Newsletter

Assine o nosso boletim informativo mensal. Clique aqui