27 de setembro – Dia Nacional de Doação de Órgãos

Categoria: Notícias - Postador por: Comunicação IUPV - Data: 27 de setembro de 2019

Para divulgar a doação de órgãos no Brasil, o dia 27 de setembro foi escolhido como o Dia Nacional de Doação de Órgãos. O grande objetivo da passagem da data é levar informações sobre a doação de órgãos para a população brasileira e conscientizar as pessoas sobre a importância desse ato de amor e solidariedade.

Setembro foi escolhido como o mês em que a campanha pela doação de órgãos é ainda mais intensificada no Brasil. E o objetivo desse grande trabalho de conscientização é um só: ajudar milhares de pessoas que aguardam na fila de transplante. No Brasil, cerca de 34 mil pessoas estão esperando por um órgão.

Então vamos falar de doação? 

No Brasil, para ser doador de órgãos é preciso conversar com sua família e manifestar o seu desejo de doar. Isso porque, de acordo com o Ministério da Saúde, a doação só pode ser realizada depois que a família do doador autoriza o procedimento. É possível doar rim, fígado, coração, pâncreas, pulmão, córnea, pele, ossos, válvulas cardíacas, cartilagem, medula óssea e sangue de cordão umbilical. Infelizmente, cerca de metade das famílias recusa a doação, atitude que aumenta ainda mais o tempo de espera por um transplante.

Doadores vivos podem realizar a doação de rim, parte do fígado e da medula óssea. E no caso da medula óssea, para ser doador, basta procurar o hemocentro da sua cidade e realizar o cadastro. Durante o processo, será coletada uma pequena quantidade de sangue (10mL) e será preciso apresentar o documento de identidade.

Após a coleta, o sangue é analisado por um teste de laboratório que identifica suas características genéticas para que possam ser cruzadas com os dados de pessoas que precisam de transplantes. Quando há uma possível compatibilidade, o doador será chamado e consultado para decidir se quer realizar a doação ou não.

Confira abaixo as especificações do Ministério da Saúde para doação:

Doador vivo: qualquer pessoa que concorde com a doação, desde que o ato não prejudique sua própria saúde. Ele pode doar um dos rins, parte do fígado, parte da medula óssea ou parte do pulmão. De acordo com a lei, parentes até quarto grau e cônjuges podem ser doadores. Pessoas que não são parentes podem realizar a doação somente com autorização judicial.

Doador falecido: Paciente com morte encefálica, geralmente vítima de catástrofes cerebrais (traumatismo craniano ou derrame cerebral).

Os órgãos doados vão para pacientes que necessitam de um transplante e estão aguardando em lista única, definida pela Central de Transplantes da Secretaria de Saúde de cada estado e controlada pelo Sistema Nacional de Transplantes.

Você pode saber mais sobre o assunto acessando o site da Associação Brasileira de Transplantados clicando aqui.

Transplante Pulmonar

A Fibrose Cística é a terceira condição que mais encaminha pacientes para o transplante pulmonar, que pode ser tanto na modalidade intervivos como de doador cadavérico. Atualmente apenas três centros estão habilitados para o transplante pulmonar: A Santa Casa de Misericórdia em Porto Alegre, pioneira no procedimento na América Latina, o InCor em São Paulo, que tem o maior número de transplantes realizados no país, e o Hospital de Messejana em Fortaleza.

Para poder ser transplantado, o paciente com Fibrose Cística precisa ser encaminhado do seu Centro de Referência para uma equipe de transplantes de um desses hospitais. Para isso, são verificados uma série de requisitos clínicos, sociais e psicológicos, o paciente passa por um processo de reabilitação e aguarda por um órgão compatível.

Fonte:1: Ministério da Saúde

Nota importante: As informações aqui contidas tem cunho estritamente educacional. Em hipótese alguma pretendem substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas.

Você vai gostar também...

Newsletter

Assine o nosso boletim informativo mensal. Clique aqui