Depoimento – Leonardo Silveira

Categoria: Central de Conteúdo - Postador por: Comunicação IUPV - Data: 13 de agosto de 2021

Olá, leitores do site do Instituto Unidos pela Vida! Meu nome é Leonardo Kondras da Silveira, tenho 26 anos, moro em Curitiba/PR e fui diagnosticado com fibrose cística aos 3 meses de vida.

Minha história de fibra começou em 1995, quando nasci pesando pouco mais de dois quilos. Na época, não existia muita informação sobre a fibrose cística e eu não tive a oportunidade de realizar o Teste do Pezinho logo quando nasci. Minha avó percebeu, ao beijar minha testa, que o suor estava mais salgado que o normal. Minha mãe, que já estava correndo comigo em hospitais e sofrendo muito pela falta de diagnóstico, falou sobre esse sintoma ao médico que estava fazendo meu acompanhamento. De imediato ele pediu novos exames e a confirmação veio: fibrose cística. Minha mãe recebeu o diagnóstico com certo conforto. Antes, ela estava sofrendo por não saber o que poderia ser e por não ter nenhuma explicação médica para os sintomas que eu estava apresentando.

O tratamento sempre foi tema de discussões na minha adolescência. Fazer a inalação, tomar medicamentos e suplementos alimentares… No início tudo era difícil de conciliar com a minha rotina, mas com o tempo fui aceitando melhor a atenção que eu precisava dar para a minha saúde e, hoje em dia, eu consigo fazer várias inalações diárias e fisioterapia respiratória duas vezes por semana sem me tirar o prazer de fazer outras coisas. Mas isso só veio com o tempo e o entendimento sobre a fibrose cística, sobre o meu corpo e seus sinais. Isso foi fundamental para melhorar minha adesão ao tratamento. 

Minha esposa Vanessa, minha mãe, meus amigos próximos… Todo amor que recebo deles me ajuda muito a enfrentar as situações que a vida com fibrose cística me apresenta. Sem eles, tudo seria muito mais difícil. Se tem um segredo para levar uma vida saudável, inclusive mentalmente, é não ter medo de compartilhar com as pessoas que são próximas seus receios e conquistas. Todos nós temos altos e baixos. Com a fibrose cística, passo por dias que não estou muito disposto e faço o mínimo, assim como em alguns dias levanto disposto a até fazer exercícios de alongamento e respiratórios fora do ambiente fisioterapêutico. 

A fibrose cística é parte do que somos e temos que nos aceitar, nos amar e compreender.  Toda pequena batalha vencida deve ser comemorada, pois ela é muito importante para a nossa qualidade de vida. Então, comemore! 

Por Leonardo Silveira

Nota importante: As informações aqui contidas tem cunho estritamente educacional. Em hipótese alguma pretendem substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas.

Você vai gostar também...

Newsletter

Assine o nosso boletim informativo mensal. Clique aqui