Associação de aspectos biomecânicos e função ventilatória de crianças e adolescentes com Fibrose Cística

Categoria: Coluna Científica - Postador por: Comunicação IUPV - Data: 04 de novembro de 2019

Resumo de pesquisa realizada por Karolmara Paula Nunes e Rosa Maria de Carvalho. O artigo fez parte do volume exclusivo sobre Fibrose Cística da revista Visão Acadêmica da Universidade Federal do Paraná (UFPR), edição lançada em setembro de 2019 em alusão ao Mês Nacional de Conscientização da Fibrose Cística e que pode ser acessada na íntegra clicando aqui.

Em pacientes com Fibrose Cística, a obstrução das vias aéreas, o consequente desenvolvimento de doença pulmonar e a hiperinsuflação resultante geram adaptações biomecânicas e alterações posturais. Nessa pesquisa avaliou-se a relação entre aspectos biomecânicos do tórax e função ventilatória em crianças e adolescentes com Fibrose Cística.

O método utilizado foi o estudo transversal observacional com crianças e adolescentes acompanhados em um Centro de Referência em Fibrose Cística de Minas Gerais. Foram realizadas: avaliação antropométrica, espirometria, avaliação postural, além de medidas e análise de relação entre diâmetros superior e inferior de tórax (DSIT) a partir de imagens radiológicas.

No total, 25 crianças e adolescentes (17 meninos e 8 meninas) com idade média de 10,03 (± 4,41) anos participaram do estudo e, dessas, 15 foram submetidas às demais etapas de avaliação. Na espirometria os resultados foram: 88,8% (± 22,81) para CVF, 82,13% (± 18,57) para VEF1, 82,41% (± 8,19) para VEF1/CVF, 84,8% (± 21,51) para PFE e 76,29% (± 23,86) para FEF25-75%.

Na avaliação postural, os ângulos foram de 144,33 (± 5,76) para protrusão de cabeça, 151,88 (± 11,16) para protrusão de ombro, 102,18 (± 6,12) para cifose torácica e 130,12 (117,6/139,6) para lordose lombar e não houve correlação com função pulmonar. DSIT foi de 0,64 (± 0,041), apresentou correlação com idade (r: 0,60; p:0,04) no subgrupo igual ou superior a 10 anos, não se correlacionou com espirometria e apresentou correlação inversa com ângulo de protrusão de ombro (r:-0,75; p:0,01) e de cifose torácica (r:-0,74; 0,01) no subgrupo de crianças e adolescentes com valores de DSIT menores que 0,657.

Concluiu-se, então, que em crianças e adolescentes com Fibrose Cística, o padrão postural é variável e tende a apresentar maiores alterações com a idade.

Você pode conferir esse estudo na íntegra clicando aqui.

Nota importante: As informações aqui contidas tem cunho estritamente educacional. Em hipótese alguma pretendem substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas.

Você vai gostar também...

Newsletter

Assine o nosso boletim informativo mensal. Clique aqui