A evolução da capacidade funcional em crianças e adolescentes com fibrose cística: um estudo longitudinal

Categoria: Central de Conteúdo - Postador por: Comunicação IUPV - Data: 05 de outubro de 2020

Resumo da pesquisa realizada por Rafaella Lima Ferreira Costa, Rebeca Ferreira Costa, Christine Pereira Gonçalves, Saint Clair dos Santos Gomes Junior, Célia Regina Moutinho de Miranda Chaves e Nelbe Nesi Santana. O artigo fez parte do volume exclusivo sobre fibrose cística da revista Visão Acadêmica da Universidade Federal do Paraná (UFPR), edição lançada em setembro de 2020 em alusão ao Mês Nacional de Conscientização sobre a Fibrose Cística e que pode ser acessada na íntegra clicando aqui.

A fibrose cística é uma doença genética, autossômica e recessiva que acomete vários sistemas. O comprometimento respiratório é progressivo e ocorre em 95% dos pacientes, sendo a lesão pulmonar o determinante mais importante para o prognóstico e fator influenciador da capacidade funcional.

Visto que os avanços no tratamento e no diagnóstico da fibrose cística levam ao aumento considerável na sobrevida desses pacientes, as medidas de capacidade funcional têm sido cada vez mais utilizadas no acompanhamento destes indivíduos. Logo, o objetivo deste estudo foi analisar a progressão da capacidade funcional de pacientes com fibrose cística a partir do teste de caminhada de 6 minutos (TC6M) ao longo de 3 anos em um centro de referência do Rio de Janeiro.

Assim, foi realizado um estudo de coorte retrospectivo com esta população, observando variáveis demográficas, clínicas e nutricionais, além da realização do TC6M. Foram avaliadas 20 crianças e adolescentes com idade média de 11,77±2,80, 40% do sexo masculino, com predominância de colonização por Pseudomonas aeruginosa e da mutação F508del.

Embora não tenha sido observada diferença estatisticamente significativa nas variáveis entre os períodos estudados, houve tendência de declínio principalmente nos parâmetros clínicos. Mesmo com o declínio, neste estudo, evidenciou-se que a amostra apresentou boas condições clínicas, nutricionais e funcionais nos 3 anos de seguimento.

Considerando a importância do prognóstico da fibrose cística, a avaliação da capacidade funcional se torna um grande aliado para um melhor acompanhamento, associado à intervenção precoce, minimizando o declínio da função pulmonar e o número de internações dos pacientes.

Você pode conferir esse estudo na íntegra e saber mais sobre os pesquisadores clicando aqui.

Nota importante: As informações aqui contidas tem cunho estritamente educacional. Em hipótese alguma pretendem substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas.

Você vai gostar também...

Newsletter

Assine o nosso boletim informativo mensal. Clique aqui