Mães de fibra – Entrevista com Hágata Christian

Categoria: Central de Conteúdo - Postador por: Comunicação IUPV - Data: 28 de maio de 2021

Chegou a hora de compartilharmos a história da Hágata Christian. Ela foi diagnosticada com fibrose cística aos 13 anos e é mãe de fibra do Antony, de 11 anos e que também tem a doença.

“Meu diagnóstico veio tardiamente, o que trouxe muitos desafios para a minha vida. Antes de receber a notícia, ninguém da minha família tinha ouvido falar sobre a fibrose cística. Ficamos sabendo quando o pediatra confirmou o diagnóstico, por meio do Teste do Suor, e deu início ao meu tratamento.”

Ser mãe sempre foi um sonho para Hágata, e ela conseguiu realizá-lo com a chegada do Antony. Ela sabia que existia a possibilidade de ele também ter fibrose cística, e quando o diagnóstico foi confirmado, ela passou a se dedicar ainda mais ao seu tratamento para ter cada dia mais saúde e poder cuidar do seu guerreiro de fibra.

“É um grande desafio conviver com a fibrose cística sendo mãe de uma criança que também tem a doença. Nos dias que não estou bem, busco sempre mostrar otimismo e me dedicar ainda mais ao tratamento. No momento, estou em avaliação para a realização de um transplante pulmonar, e confesso que toda essa situação me traz muito medo, mas tiro forças ao ver meu filho bem e feliz, brincando e correndo com muita saúde e disposição.”

Neste grande desafio de ter fibrose cística e ser mãe de fibra, Hágata afirma que ter por perto pessoas que apoiam e ajudam diariamente é algo que faz toda a diferença.

“Minha rede de apoio é incrível! Tenho ajuda do meu marido, dos meus pais, irmãs e tias. Uma tia em especial, que é como uma segunda mãe para mim, está sempre por perto e cuidando de nós. Quanto a isso, não tenho nem o que dizer. Eles fazem toda a diferença para o meu tratamento e do meu filho também. Estão ao nosso lado em todos os momentos, em consultas, internações ou até mesmo em casa, quando não estou muito bem. Tenho eles sempre comigo.”

Para Hágata, o momento mais marcante da sua vida foi ter realizado o sonho de ser mãe. Ela afirma que sentir o Antony em seus braços pela primeira vez e poder viver a maternidade foi um verdadeiro privilégio.

“Meu grande desafio ao ter fibrose cística e ser mãe de uma criança que também tem a doença é fazer meu filho entender a importância do tratamento. Por isso, todos os dias, busco mostrar para ele que o diagnóstico nos traz uma nova vida, mas também muitas lutas. Sempre reforço que o tratamento ocupa bastante tempo, mas os resultados são incríveis.” 

Para finalizar, Hágata afirma que ser mãe de fibra é algo que traz uma mistura de sentimentos todos os dias em sua vida.

“É uma preocupação dobrada, olhos e ouvidos atentos para cada sintoma. Às vezes temo pelo que pode acontecer comigo ou com meu filho, mas nada supera a alegria que eu sinto ao vê-lo brincando e correndo com seus amigos. Para todas as mães de fibra do Brasil eu digo para nunca perderem a fé, para acreditarem no melhor sempre. Não é fácil, mas é possível, pois Deus nos dá apenas o fardo que podemos carregar. Vamos seguir em frente e lutando sempre por nós e por nossos salgadinhos.”

Por Kamila Vintureli

Nota importante: As informações aqui contidas tem cunho estritamente educacional. Em hipótese alguma pretendem substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas.

Você vai gostar também...

Newsletter

Assine o nosso boletim informativo mensal. Clique aqui